Melhor forma de fazer uma discursiva.

Conheça a melhor forma de elaborar a sua prova discursiva!

Descubra agora a melhor forma de elaborar a sua prova discursiva. Chegou a hora de falarmos do bicho papão da preparação para concurso público.
Escrito Por
LUCIANA CUNHA
em 24 Maio 2019
Início > Blog > Conheça a melhor forma de elaborar a sua prova discursiva!

A palavra "DISCURSIVA" põe medo em muitos concurseiros bem preparado...

Mas porque isso acontece?

Será que você está estudando para prova discursiva da forma correta?

Chegou a hora de você saber como transformar este assunto que põe medo em muitos em uma vantagem real para você na hora da prova.

 

10 PASSOS SIMPLES PARA VOCÊ VENCER O MEDO E TERC SUCESSO NAS DISCURSIVAS!

Vencendo as discursivas

Sabemos que os concursos estão cada vez mais exigentes e os candidatos cada vez mais preparados, não é mesmo?

Por essa razão, é muito importante pensar na preparação para as provas de forma global, sem negligenciar nenhuma das etapas previstas no edital!

A maioria dos certames tem cobrado, além da fase objetiva, que consiste em questões de múltipla escolha (a,b,c,d,e) ou afirmativas para julgamento em certo/errado (c/e).

Uma fase discursiva exige a produção de uma redação/dissertação/questão, ou seja, a elaboração de um texto pelo próprio candidato a respeito de um assunto escolhido pela banca organizadora.

E não é raro ouvir de um candidato que acabou perdendo muitas posições no concurso porque se preocupou com a fase objetiva e deixou de lado a fase discursiva, que também exige estudo e muito treino!

Por essa razão, elaborei este post com as informações essenciais para que você aprenda a elaborar um texto de qualidade, no tempo e espaço propostos na prova que escolher!

 

OS 6 MEDOS QUE RODAM AS MENTES DOS CONCURSEIROS

Quando converso com candidatos a respeito das provas discursivas, identifico os seguintes medos:

#1 Surpresa do tema: e se eu não souber nada sobre o tema cobrado?

#2 Controle do tempo para resposta: como faço para controlar o tempo durante a realização da prova discursiva?

#3 Organização das ideias: de que maneira consigo incorporar no texto todas as minhas ideias sem que o conteúdo fique confuso?

#4 Identificar os pontos que o examinador espera que o candidato aborde: o que o examinador espera que eu trate sobre esse assunto? (Principalmente quando o assunto é amplo demais)

#5 Abordar o máximo de conteúdo no menor espaço (já que, via de regra, os espaços são pequenos): como inserir todas as minhas ideias em apenas 20 ou 30 linhas?

#6 Não cometer rasuras em exagero (pois algumas são inevitáveis): como não cometer rasuras e deixar meu texto mais “limpo” e agradável de ser lido?

Você sente algum desses medos?

Neste artigo, vou mostrar a você os 10 passos para acabar definitivamente com todos esses medos e produzir um texto de ótima aparência e conteúdo, dentro do espaço e tempo propostos pelo concurso que escolheu.

Aumentando em 3x as suas chances de ser aprovado para o cargo que tanto sonha!

 

# Passo 1- CONTROLE O TEMPO

O tempo para a resolução da prova discursiva pode variar de concurso para concurso. 

Em alguns certames, a prova é realizada em conjunto com a fase objetiva, o que dificulta ainda mais o controle do tempo.

Diante de tantas variáveis, o mais importante é que você calcule um tempo, cronometre e respeite essa divisão, considerando que é necessário um tempo para organizar as ideias (e vou te mostrar como fazer isso) e um tempo para escrever o seu texto.

Assim, recomendo que no tempo possível você separe 1/3 para organizar e 2/3 para escrever.

Ex: Se tiver 1h30 para resolver a prova discursiva, separe 30 minutos para organizar as ideias e 1h para escrever o texto propriamente dito.

Você pode até ter dúvidas do motivo pelo qual precisaria de mais tempo para escrever do que para organizar as ideias, já que refletir sobre o tema exige tempo. 

No entanto, se você fizer isso, vai correr alguns riscos:

  • Pode não ter tempo de concluir o texto;
  • Pode ter que correr para concluir, o que vai te fazer cometer mais rasuras e escrever com uma letra não tão legível;
  • Pode impossibilitar a revisão do texto (algo que é essencial).

Assim, ao dividir o seu tempo para realizar a discursiva, sempre tenha em mente que: melhor do que perder seu tempo precioso se aprofundando demais no tema (o que é muito difícil em 20 ou 30 linhas), e correr o risco de entregá-lo cheio de falhas, é você fazer um texto simples, em bom português, limpo, claro e coeso.

 

# Passo 2 - CONTROLE O ESPAÇO DISPONÍVEL

Após separar o tempo para a resolução da prova, você vai precisar estimar o uso das linhas disponíveis para não correr os seguintes riscos:

  • Deixar muitas linhas em branco (e em alguns certames há desconto por linhas em branco);
  • Faltar linhas para colocar todo o conteúdo;
  • "Espremer” a letra para fazer caber o conteúdo, deixando a letra ilegível ou o texto poluído demais.

Assim, no rascunho, faça uma marcação dos espaços em que vai iniciar cada parágrafo. 

Em 20 ou 30 linhas, que é o espaço disponível na maioria das provas discursivas, é razoável que você faça de 4 a 6 parágrafos, sob pena do seu texto ficar com períodos muito curtos ou muito longos.

 Em uma dissertação de 30 linhas, marque os parágrafos necessários para a introdução, desenvolvimento e conclusão. 

Supondo que desenvolverei 3 aspectos do tema, posso separar 6 linhas para a introdução, 6 para cada aspecto (3 parágrafos de 6 linhas) e mais 6 linhas para a conclusão.

 

# Passo 3 - IDENTIFIQUE O TEMA

Sabemos que na hora do nervosismo, muitos candidatos fazem uma leitura apressada da questão discursiva e isso pode acarretar na sua reprovação ou rebaixamento no concurso.

Assim, é imprescindível fazer uma, duas, até três leituras da questão ou problema apresentado, procurando grifar as palavras-chaves do enunciado, que vão lhe ajudar a identificar o que o examinador realmente quer saber.

Pior do que não saber o tema, é conhecer o assunto, mas não ter abordado os principais aspectos por falta de atenção!

Portanto, não ignore essa leitura atenta e a repita, ao menos uma vez.

Ex: Em uma leitura rápida e sem cuidado, você conclui que o examinador quer saber sobre o tema "guerra".

No entanto, em uma análise mais atenta, após a sua revisão, você percebe que o tema central não é qualquer guerra, mas sim "a segunda guerra mundial".

 

# Passo 4 -CRIE ALTERNATIVAS QUANDO HÁ DESCONHECIMNETO DO TEMA

Caso desconheça o tema, não se desespere.

A pontuação da prova discursiva é composta não apenas de abordagem do tema, mas de coerência, coesão, ortografia, etc (e essa informação consta expressamente no edital do concurso; por isso, nunca deixe de ler o edital!)

Se não souber absolutamente nada sobre o tema, mas souber algo sobre um assunto paralelo, sobre o conjunto ou contexto em que esse tema está inserido, tente abordar o que sabe e mencionar o tema cobrado.

Obviamente, você não obterá a pontuação total na prova, mas não correrá o risco de zerar. E, a depender da forma como abordar o tema, pode conseguir até mesmo uma nota média a alta, a depender da rigidez na correção.

Ex: se o tema for a segunda guerra mundial e você não souber nada sobre o assunto, você pode tratar genericamente do tema “guerra”, mencionando aspectos dele e inserir a segunda guerra mundial nesse contexto.

E, para que você veja como é possível construir um texto utilizando essa técnica que amplia o tema, a partir de agora, em todos exemplos, vamos refletir sobre "guerra" (considerando que o tema proposto é "segunda guerra mundial", mas não temos domínio sobre ele).

 

# Passo 5 - ORGANIZE AS IDEIA E TUDO QUE VOCÊ LEMBRAR DO TEMA

Depois de compreender o assunto, ou definir sobre o que vai escrever caso não saiba exatamente o que o examinador quer, agora você precisa organizar as ideias para conseguir desenvolver seu texto com clareza e coesão.

Use o espaço do rascunho para isso, anotando, em tópicos, todos os temas relacionados ao assunto que você vai escrever. Tente se lembrar de todos os aspectos referentes a esse tema: origens, conceitos, classificações, abordagens, previsão legal, posicionamento da jurisprudência, exemplos.

Faça um verdadeiro “check list” de tudo que lembrar e, ao final, releia para ver se não esqueceu algo.

Ex: sobre o tema guerra, o que podemos falar…

  • Um conceito;
  • Aspectos negativos;
  • Aspectos positivos (alguém sempre lucra com as guerras);
  • Consequências das guerras e exemplos (inserir a segunda guerra aqui);
  • Conclusão.

 

# Passo 6 - ENUMERE AS IDEIAS 

Depois, em ordem de preferência, vá numerando os itens que você lembrou, do mais importante para o menos importante.

Comece sempre pelos mais importantes, já que, caso o espaço seja insuficiente, não correrá o risco de ter deixado o mais importante para o final.

E não caia na tentação de fazer um rascunho!

Isso leva muito tempo e, com a estruturação dos tópicos, você verá que não será necessário. Uma vez organizado o pensamento, uma escrita com calma, dentro do tempo que você já reservou e do espaço que você já separou, vai garantir um texto excelente.

Ex: sobre o tema guerra

  1. Um conceito sobre guerra;
  2. Aspectos negativos (1º destruição; 2º desestabilização política; 3º desestabilização social);
  3. Aspectos positivos (1º enriquecimento pelo fornecimento de armamentos; 2º enriquecimento pelo fornecimento de remédios);
  4. Consequências - das guerras e exemplos (1º segunda guerra mundial; 2º guerras no oriente médio);
  5. Conclusão.

 

# Passo 7 - INTRODUÇÃO AO TEMA

Todo, absolutamente todo texto, deve conter 3 partes: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Na introdução, você deve tratar o assunto de forma geral, ou seja, mencionar um conceito amplo, dissertar sobre a importância do assunto, trazer os antecedentes históricos do tema, e por aí vai.

Além disso, você já pode direcionar o texto, ou seja, mencionar a respeito do que vai falar no desenvolvimento do tema.

Ex: considerando o tema "segunda guerra mundial", mas abordando o tema "guerra", de forma mais ampla:

“Inicialmente, cabe mencionar que as guerras se caracterizam por lutas, armadas ou não, travadas entre países ou povos, com o objetivo de conquistar espaço, poder ou dominação. Embora sejam evidentes os aspectos negativos de todo confronto, há quem lucre com as guerras.”

 

# Passo 8 - DESENVOLVIMENTO DO TEMA

Feito isto, direcione o seu texto para a abordagem específica que quiser dar, ou seja, utilize os demais parágrafos para tratar sobre aspectos relacionados ao tema, pontos positivos e negativos, exemplos de aplicação em diversas áreas, correntes existentes sobre o assunto.

Trata-se do desenvolvimento do tema.

Neste ponto, é importante ir seguindo as prioridades elencadas no início, pois se faltarem linhas, você pelo menos tratou do indispensável sobre aquele assunto.

Ex: desenvolvendo o tema "guerra" e inserindo o tema "segunda guerra", para atingir, ao menos parcialmente, a expectativa do examinador.

“Quanto aos aspectos negativos, merece destaque a incomensurável destruição causada pelas guerras. Vidas e lares são exterminados pela falta de diplomacia que acaba por desencadear os confrontos.

E, já em outro patamar, pode-se mencionar a instabilidade política e social permanentes.

Já no que se refere aos aspectos positivos, infelizmente há interessados no  desenvolvimento de guerras pelo mundo, principalmente conflitos armados. Isso porque a venda de armamentos gera receita considerável aos produtores destes insumos devastadores.

Em outra ponta, nota-se ainda expressivo o lucro advindo do fornecimento de remédios aos envolvidos nos confrontos. 

Não bastassem os aspectos mencionados, há que se salientar que a guerra traz ainda perversas consequências, as quais geram impactos em todo o mundo.

A reconstrução das áreas afetadas após a segunda guerra mundial, por exemplo, bem como o apoio à toda a população atingida, exigiu esforços de todos os vizinhos e compreensão global acerca do renascimento de uma região.”

 

# Passo 9 - CONCLUSÃO DO TEMA

E, ao final, encerre com a conclusão.

A maioria dos candidatos se perde no decorrer da discursiva e acaba entregando a prova sem conclusão (seja por que não sobraram linhas ou porque o candidato não se lembrou disso).

Assim, ao estruturar seu texto, sempre tenha em mente que, após a introdução geral do tema e a discussão dos aspectos relacionados, o examinador quer ver se você refletiu sobre o tema e tirou uma conclusão sobre ele.

Nessas linhas finais, expresse sua reflexão, sem ser parcial demais.

Utilize expressões como “ao que tudo indica”, “por todo o exposto, parece haver”, e evite expressões como “acho que é ruim/bom”, “não concordo ou concordo com tal linha de pensamento”.

Ex: Apresentando uma conclusão possível, mesmo que não tenha o domínio do assunto.

“Enfim, diante do exposto, conclui-se que há muito mais complexidade envolvendo os conflitos, sejam eles armados ou não, do que aparentemente possa parecer.

E, a par de todos os aspectos positivos e negativos que permeiam as guerras, seus efeitos são sentidos por todo o mundo e reclamam a nossa atenção, revelando um todo do qual inevitavelmente nós também fazemos parte.”

 

# Passo 10 - REVISE SEU TEXTO

Pode parecer bobo, mas muitos candidatos simplesmente não releem o que escreveram. Não é porque você terminou de escrever que seu trabalho terminou também.

É  imprescindível reler o que você escreveu. Isso pode lhe ajudar a ajustar a pontuação (colocar uma vírgula ou acento que faltou, por exemplo), verificar algum erro de ortografia que pode ser corrigido (às vezes é melhor cometer uma rasura e inserir a palavra correta do que a deixar errada) e complementar o seu texto (se ainda houver linhas).

É aquele “polimento” que pode dar um brilho a mais em sua discursiva e a diferenciar das demais.

Não ignore essa dica!

Bons estudos e uma boa discursiva!

_____________________________________________________________________________________________

SOBRE O AUTOR

LUCIANA CUNHA

Procuradora do Estado do Paraná. Já exerceu os cargos de Procurador do Município de São José do Rio Preto/SP, Procurador do Município de Mauá/SP e Procurador do Município de São Caetano do Sul/SP. Aprovada nos concursos para os cargos de Procurador do Estado do Rio Grande do Sul (2015), Procurador do Município de São Paulo (2014), Analista Judiciário dos TRFs da 3ª e 4ª Regiões, Analista Judiciário do TRT da 15º Região, Analista Judiciário do MPU, Técnico Judiciário do TRT da 15ª Região. Bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em Direito Processual Civil.

____________________________________________________________________________________________

Aprenda junto com quem sabe o caminho das pedras e tenha a segurança de estudar certo e de forma organizada!

Treinamento personalizado para ser aprovado em concurso público, ter estabilidade e uma excelente remuneração para viajar pelo mundo e curtir a vida com as pessoas que ama. 

Clique aqui para saber mais! 

 

Junte-se a mais de 30.000 concurseiros

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdo exclusivo e 100% gratuito sobre concursos